terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Experiências maternais


Eu ando sempre em dúvidas. Entre um querer e não querer ser mãe.
Mas experimento! Isso mesmo, experimento com os filhos dos outros.
Tenho um certo "imã" para crianças. Cuido delas com o maior prazer!
Há alguns meses cuido de Pedro. Ele está com um ano e quatro meses e eu acompanhei algumas de suas fases.
Vi ele aprender a andar, entender seus "grunhidos" de fala, comer sozinho (e bastante) e pegar as chaves e ir para porta para passear.
Pedro adora passear, ir até o chafariz e olhar os peixes e brincar de pedras.
Me reconhece e sempre me sorri. Faz carinha de coehinho e já mostra o que quer!
Fala "Aiiinee". Olha, garanto o guri vai ter um vozeirão!
Faço grandes descobertas com o Pedro, como:
- que mãe só toma banho depois que o pimpolho dorme;
- que tomar sorvete junto, é ser servido na boca, no entanto, mirando com a própria a colher cheia de sorvete;
- vê-lo caminhando sozinho é maravilhoso, porém deixar que ele coloque as mãos nas grades de um restaurante e ficar "marrom" de tanta graxa, dá um desconsolo...rsrs
- dormir mal é coisa de mãe. Na primeira noite fiquei angustiada e cada virada do moleque na cama eu levantava. Olhava e ele lá com o "popozão" para cima dormindo...
- mãe nasce com dispositivo de aceleração. Fiz tudo muito rápido de manhã para melhor atender meu gurizinho.
- você se torna um ser tão bobo. Sabem por quê? Porque de manhã ele acorda e sorri. Nossa é muito legal.
- adora aparelhos eletrônicos e todos os botões são maravilhosos
Brincamos a valer e sorrimos muito. A gente se diverte e também diverge. Somos amigos.
Agradeço aos papais de Pedro toda confiança, pois afinal, Pedro é a jóia rara deles. E eu usufruo dele de vez em quando. São préstimos de babá claro, mas é muito gratificante.

Beijos...

3 comentários:

Alexandre Correia disse...

Olá Aline,

Acredito que dará uma excelente Mãe. Eu tenho duas filhas: uma vai fazer em breve 17 anos, a outra ainda não tem dois anos e meio. Infelizmente, não vivo com nenhuma delas, mas continuam a ser prioritárias na minha vida e nada do que lhes diga respeito é negociável. Isso já me custou algumas relações, que não aceitavam esta condições. Mas eu creio que a Aline compreende o que eu estou a dizer. E vivi com as duas o tempo suficiente para reagir exactamente como a Aline tem sentido com o Pedro: de noite, ao mínimo movimento, despertava logo para ir espreitar. E nunca vou esquecer que a minha bebé até a dormir sorria...

Beijo,

Alexandre

Fabi disse...

Querida "Aineeeeeeeeeeeeeee":


Enchi os olhos de lágrimas de ver o amor que tens pelo meu filho querido. É muito ver e sentir isso. E, sobretudo, saber que ele está sendo muito bem cuidado. por ti. Pode ter certeza que ele gosta muito de ti também. Tanto a ponto de me despertar ciúmes (rs,rs, rs).

Bjs

Fabi

Demétrio de Azeredo Soster disse...

Você não é apenas a babá de Pedro, minha querida; é uma amiga muito especial com quem dividimos, eu e a Fabi, aquilo que de mais bonito fizemos juntos. E se isso se dá desta forma; se há esta comunhão por meio do Pedro,é porque desde há muito percebemos que você é uma menina especial, que admiramos muito. Então é uma honra muito grande tê-la junto de nossa família. Bjo grande procê!